Plano estratégico de atuação com a coordenação das escolas públicas

De Projeto Alavanca

A coordenação tanto administrativa quanto pedagógica das escolas constitui a base do processo de relacionamento entre o projeto e escolas, uma vez que estas são quem definem as diretrizes do trabalho na escola e podem colaborar mais profundamente para realização das atividades na mesma. Elaborar uma estratégia de ação que defina os objetivos de trabalho com este corpo da escola, facilita ao projeto ter um direcionamento em suas ações, organizando assim, um trabalho amplo que atenda as expectativas da escola e realize os objetivos da parceria entre Escola e Projeto Alavanca.

I. Objetivos:

Relacionamento com a escola Estreitar os laços entre o Projeto Alavanca e Delegacia de Ensino da região Butantã através do trabalho nas escolas, apoiado pelas coordenações da mesma.

Justificativa

A coordenação da escola tem contato direto com outras instâncias superiores do ensino, entre eles a Delegacia de Ensino. Esta supervisiona periodicamente as atividades e desenvolvimento da escola, assim como, o trabalho realizado por parceiros na mesma. Ao estabelecer um bom relacionamento com a coordenação da escola desempenhando um trabalho que atenda as necessidades da mesma, esta relata os acontecimentos a Delegacia de Ensino. Assim, tem-se a oportunidade de o projeto ser reconhecido por grandes organizações do ensino (MEC, MINC), o que favorece o apoio para os programas do projeto, assim como a captação de recursos para o mesmo.

Formalização da parceria Formalizar a parceria de forma que a atuação do projeto possa ter validade legal.

Justificativa

A formalização da parceria garante ao projeto que sua atuação nas escolas possa ser reconhecida por qualquer organização interna ou externa à educação. A existência de um documento legal permite ao projeto comprovar seu trabalho junto às escolas, esforçando-se para a melhoria da educação. O documento de formalização também pode ajudar na captação de recursos para as atividades na escola. Ao ter conhecimento que o projeto possui um amparo legal para atuar na escola, as famílias se sentirão mais confiantes em deixar seus filhos participarem dos trabalhos, por verem que a escola assim como outras instâncias do ensino apoiam o programa. Legalizar o programa também facilita para que havendo troca de direção, o projeto não tenha que reapresentar seu trabalho, atrasando assim o desenvolvimento das atividades.

Facilitar o contato dos pais e mestres Promover através dos programas planejados e desenvolvidos junto a coordenação da escola a integração da família no ambiente escolar de forma seja participativa e envolvendo-a nos processos de melhoria da mesma.

Justificativa

A aproximação da família ajuda no combate aos problemas comportamentais dos alunos, além de outros vigentes na escola, pois com a presença da família é possível que esta acompanhe mais de perto o desenvolvimento escolar da criança e jovem. A presença de um maior número de famílias na escola, também motiva outras famílias a aproximarem-se mais da mesma. O contato e conhecimento com famílias de várias outras comunidades da região, facilita para que o projeto se aproxime das comunidades e replique o trabalho desenvolvido na São Remo.

Contato principal na escola Estabelecer um bom relacionamento entre o Projeto Alavanca e Coordenação da Escola, para que o trabalho seja contínuo e possa ser realizado conjuntamente.

Justificativa

Fortalecer o vínculo entre Projeto e coordenação traz mais possibilidades de ampliar o trabalho dentro da escola. Um trabalho com consistência e durabilidade só funciona quando todos os envolvidos participam no seu planejamento e execução, pois quando todas as partes são envolvidas se estabelece uma troca de idéias, informações e experiências que podem ser aproveitadas na elaboracão de soluções permanentes para os problemas que o trabalho combate e ataca.

Apoio na definição do conceito político-pedagógico Realizar trabalhos pilotos que apresentem conceitos pedagógicos novos e que possam ser incorporados ao plano político pedagógico da escola, quando obtido sucesso na realização.

Justificativa

Novas idéias e conceitos pedagógicos trazem à escola um diversidade de escolhas na hora de traçar caminhos para alcançar os objetivos quanto a formação educacional dos alunos. Aplicar modelos invadores também possibilitam realizar novas experiências que, se bem sucedidas, podem trazer benefícios de reconhecimento da qualidade de atuação do Projeto Alavanca. Com o sucesso desses novos modelos, estes podem ser replicados em outros locais, disseminando o sucesso pedagógico do trabalho e alcançando um número maior de beneficiados.

Definição do cronograma Definir previamente um cronograma de atividades com a coordenação que contemple todas as atuações desejadas do Projeto junto à coordenação, estabelecendo assim, um compromisso do Projeto em realizar as atividades e a escola de se programar para receber tais atividades.

Justificativa

A existência de um cronograma direciona a ordem de atuação do projeto dentro da escola, assim como estabelece previamente quando e onde as atividades vão acontecer. Saber quando acontecem as atividades possibilita ao projeto se preparar, para realizar com mais qualidade e sucesso as atividades previamente estipuladas no cronograma. Com um cronograma em mente é possível que o projeto tenha uma visão maior de onde quer chegar, abrindo desde já caminhos para alcançar tais objetivos.

Gestão da escola Formar junto à coordenação pedagógica, administrativa e professores da escola um grupo de discussão de conceitos pedagógicos que substituam os modelos atuais que não tem funcionado, estes novos modelos devem procurar suprir a ineficiência dos atuais que são aplicados forma que aumente a qualidade do ensino aos alunos.

Justificativa

Existem muitos modelos pedagógicos de como aplicar o conhecimento estipulados por órgãos do ensino que não funcionam dentro da estrutura da escola pública. Estes são muito genéricos. Cada escola tem sua realidade social e estrutural, seus públicos diferem uns dos outros e por isso necessitam de formas de abordagem e atendimento diferenciados. Para que o trabalho pedagógico funcione dentro das necessidades de escolas que recebem crianças e jovens de várias favelas (onde o índice de marginalização é bastante alto e existe maior dificuldade em direcinar os alunos para a educacão na escola) é necessário elaborar estratégias diferentes de atuação que a possibilite criar estruturas espaciais, organizacionais e formar os professores e demais funcionários para enfrentar os problemas que surgem.

Avaliação do sucesso Desenvolver método sde avaliacão do trabalho comprovando que as atividades trazem um retorno qualitativo e quantitativo aos beneficiados pelos trabalhos desenvolvidos.

Justificativa

Desenvolver os métodos de medição de resultados possibilita ao projeto e escola saber se o seu sesforços estao surtindo resultado. Da mesma forma da a oportunidade de repensar as formas de atuação caso o resultado seja negativo. A avaliação do trabalho mostra uma preocupação com o público atendido, de modo que os esforços para melhoria buscam trazer maior retorno e benefício ao mesmo. Muitos projetos realizam atividades com o seu público mas não desenvolvem indicadores de qualidade e resultados do seu trabalho, sendo duvidoso se o seu programa traz mesmo retorno ou não ao público. A avaliação de uma boa atuação também ajuda o projeto, ao apresentar resultados à outras entidades, parceiros futuros e/ou investidores, pois estes buscam saber se compensa ou não, investir na proposta do projeto.

II. Fases

Para a realização de todas as atividades, sejam de planejamento ou execução dos trabalhos, são estabelecidas fases para a estruturação e definição das diretrizes da parceria. Através dessas fases o projeto busca vivenciar as etapas já avaliando as ações e fazendo “ajustes”e/ou modificacões nas formas de atuação para que o projeto possa atender da melhor forma seus parceiro sdentro das escolas.

1) Varias reuniões com a coordenação para aproximação das culturas.

As primeiras reuniões de aproximação tem como objetivo estreitar os laços entre o projeto e a escola. Também são objetivos desta estabelecer um vínculo de cumplicidade no trabalho com as crianças e jovens que ambos atendem. Para isso serão feitos os seguintes pontos abaixo: a) Organizar reuniões para apresentação dos trabalhos que a entidades possuem. b) Discutir nas reuniões as formas de colaboração que podem ser estabelecidas na parceria. c) Dividir conceitos e ideologias sobre a educação. d) Identificar pontos ideológicos e organizacionais comuns ente as entidades, para construir o planejamento à partir desses pontos.

2) Boa compreensão das posições e necessidades de ambos os lados.

Paralelo as reuniões de aproximação devem ser já colocados os objetivos e valores do projeto para que seja transparente sua forma de pensar e enxergar a educação, para isso devem ser divididosas opiniões sobre: a) Papel de cada educador ou pessoa que tenha qualquer vínculo com a educação; b) Posições políticas e ideológicas quanto à questão da educação, em seus pontos negativos e positivos; c) Atuação das entidades para combater os problemas enfrentados.

3) Definição/fechamento da parceria

Após realizadas as atividades de aproximação e divisão de conceitos e ideologias, deve ser estruturado o fechamento da parceria. Então devem ser considerados os seguintes tópicos: a) O que a parceria deve contemplar quanto as expectativas da escola e projeto. b) Objetivos da parceria para ambas as entidades. c) Papéis definidos para ambas. d) Forma de formalização da parceria (participação da Delegacia de Ensino).


4) Planejamento dos programas

Para a execução dos programas deverao ser realizadas reuniões para planejamento conjunto das atividades. A seguir são colocados os formatos e temas que devem ser abordados nas reuniões: a) Identificar as necessidades de ambas as instituições, mapeando-as forma que possam ser facilmente justificadas. b) Colocar todos os motivos que fazem desses itens necessidades às entidades. c) Definir quais são as necessidades prioritárias em se trabalhar. d) Identificar todos os públicos envolvidos, e como estes influenciam dentro do trabalho da escola e projeto. e) Definir como o projeto pode interfirir nas necessidades. f) Discutir sobre os trabalhos que a escola já recebeu de outros parceiros, para avaliar os resultados, e procurar não replicar erros já cometidos por outros programas na mesma. g) Elaborar o planejamento de programas que trabalhem diretamente a necessidade julgada prioritária pela escola. Dentro da elaboração devem ser considerados alguns pontos, tais como: - Formas de colaboração para a realização da atividade, para que a mesma não seja de responsabilidade apenas de uma entidade; - recursos que as entidades dispõem; - onde captar os demais recursos que a atividade exige; - demais projetos que podem colaborar; - estratégias de como o projeto envolverá a comunidade externa à escola; - Formação dos educadores aque desenvolveram as atividades; - Estratégias de envolvimento pessoal e pedagógico de todos os funcionários da escola; - Como avaliar resultados da atividade.

5) Execução dos programas

Depois de elaborado o planejamento das atividades devem-se iniciar os processos de execução das atividades com os seguintes passos: Divulgação das atividades comunicando seu funcionamento, horário, a quem se destina, critérios, etc. a) Organização do espaço para as atividades. b) Registro dos planejamentos pedagógicos de cada aula das atividades. c) Execução da mesma.. d) Registro dos acontecimentos durante aula. e) Reuniões para discutir e planejar o funcionamento das próximas aulas. f) Avaliar através da aplicação dos métodos avaliação de resultados.

6) Ampliação da parceria

Nesta fase o projeto deverá estar com uma grande experiência de realizações dentro das escolas, ou mesmo se esta acontecer durante o processo de execução das primeiras, atividades deverão já ser conhecidos muitos aspectos de como funciona o relacionamento entre escola e projeto. Para a realização da ampliação da parceria devem ser considerados estes tópicos: a) Necessidades de que tal atividade aconteça. b) Benefício para a escola ao realizar mais essa parceria. c) Possibilidades de execução dentro dos recursos da escola. Após ter estipulado quais idéias são favoráveis a ampliação da parceria, a proposta deve ser apresentada à escola e caso seja aceita, serem organizados os processos jurídicos assim como funcionais que tal ampliação requer.

7) Dividir modelos pedagógicos

Simultaneamente as atividades que são realizadas dentro da parceria com as escolas, devem serão divididos os modelo pedagógicos que as entidades adotam com o objetivo de estabelecer uma rede informacional entre as escolas da região, visto que trabalham os públicos que possuem basicamente as mesmas características comportamentais e por isso enfrentam o mesmos problemas. Compartilhar recursos pedagógicos, traz às instituições a oportunidade de trabalhar com recursos diferenciados, de forma que podem prestar um melhor atendimento aos seus públicos. Assim são necessários as formas de organização: a) Estruturar um meio de comunicação entre as escolas que seja viável para todas. b) Realizar reuniões entre as escolas para um contato mais pessoal e estabelecer um vínculo maior entre elas. c) Promover discussões que coloque abertamente as dificuldades e desafios pedagógicos de ambas, para que possam participar da elaboração de estratégias para acabar com tais problemas.

III. Atividades

Visitas ao projeto: Realizar visitas da escola no Projeto para conhecimento do espaço e maior aproximação entre as entidades. Essas visitas podem ser organizadas tanto em momentos de eventos que o Projeto estiver organizando como apenas para realizr reuniões ou outros encontros de integração.

Justificativa: As visitas da escola fazem com que a mesma crie um vínculo maior como projeto, também possibilita que haja um maior conhecimento da estrutura física do Projeto e com isso a escola já venha a entender nossas limitações assim como nossas potencialidades.

Sub-atividades: a) Agendar as visitas previamente em ocasião de eventos, ou emn outras ocasiões em que a escola visite. b) Preparar o espaço para que possa acolher da melhor maneira o visitante, pensando em espaço, lanche... c) Registrar os encontros em livro ata (quando for reuniões) ou no livro de viistantes do Projeto.

Documentos: a) Ata da reunião. b) Registro no livro de visitantes.

Elaboração de documentos (contratos, etc): Elaborar os docimentos de formalização da parceria e os que serão criados no decorrer do trabalho, que oficializarão a atuação do projeto na escola.

Justificativa: A documentação do trabalho desde seu início possibilita ao Projeto ter uma história de atuação, da mesma forma pode comprovar à externos que está realizando as atividades. Também registrar os acontecimentos facilita para que membros novos do Projeto compreendam o que foi feito e possam dar continuidade no trabalho.

Sub-atividades: a) Organizar livros Atas e outros meios de registro (caderno de relatórios, lista de presença nos eventos). b) Elaborar um padrão de formatação dos documentoS do trabalho. c) Registrar os acontecimentos durante a reunião ou evento. d) Divulgar ata no máximo dois dias após a realização da reunião. A divulgação deve ser feita no egroups do Projeto e em um modelo impresso fixado na sede do mesmo e na escola.

Documentos: a) Atas das reuniões: b) Registro no scadernos de relatòrios; lista de presença: c) Documento padrão de formatação. d) Nota de divulgação.

Estudo de documentos (contratos, etc): Estudar e rever periodicamente os documentos já elaborados e aplicados para verificar se houve alguma modificação tanto na estrutura funcional e legal do projeto quanto da escola, que esteja conflitando com o documento.

Justificativa: Estudar e rever os documentos previne que o projeto não tenha nenhum problema decorrente de modificações da legislação da escola ou outro órgão que interfira no trabalho nas escolas. Também contribui para que o projeto aperfeiçoe seus modelos de documentos e técnicas de negociação.

Sub-atividades: a) Pesquisar periodicamente as legislações de organizações que impactam de alguma forma no projeto e verificar se houve mudanças recentes. b) Rever periodicamente os documentos já existentes. c) Cruzar as informações obtdas na pesquisa, com as contidas dos documentos e verificar se há conflitos. d) Realizar reuniões com a escola para informar a situação. e) Modificar ou alterar o conteúdo juntamente com a coordenação caso haja necessidade de mudança. f) Divulgar através do e-groups do projeto e nota fixada na sede as mudanças ocorridas nos documentos.

Documentos: a) Resultado impresso das pesquisas. b) Atas de reuniões com as escola. c) Novo documento elaborado. d) Nota de divulgação.


Eventos de integração: Organizar eventos periodicos de integração entre a escola e projeto.Estes eventos devem conter atividades que dinamizem o encontro e promova a interação de todos os participantes, tornando o mesmo agradável e já estimulando o comparecimento nos próximos.

Justificativa: Integrar os grupos do projeto e escola é muito importante para manter um bom relacionamento entre ambos e maior durabilidade e progresso da parceria. Realizar eventos para essa integração desperta maior interesse em comparecer sendo que eventos promotem acontecimentos prazerosas e animados.

Sub-atividades: a) Pesquisar opções de locais para os eventos de integração. b) Eleger ente os participantes o melhor local. c) Mobilizar recursos para os eventos (comida, transporte). d) Divulgar com uma semana de antecedência dia, local e hora do evento, nos meios de comunicação (e-groups, e-mail, nota impressa na sede e na escola). e) Registrar o evento e divulgar nos boletins e outros canais de informação do projeto.

Documentos: a) Documento de divulgação. b) Registro no cader no eventos. c) Lista de presença de pessoas. d) Boleto de gastos.

Realização de formações: Realizar periodicamente formações administrativas e de conceitos pedagógicos entre projeto e Escola, disseminado as ferramentas administrativas e pedagógicos que ambos possuem.

Justificativas: Essas formações também promove a integração entre as partes. Os participantes podem ter todos, uma noção comum de como realizar as atividades. Disseminar as ferramentas administrativas assim como os métodos pedagógicos, contribui para a expanão do trabalho. Cria uma autonomia na escola que se torna auto-suficiente para realizar projetos sozinha.

Sub-atividades: a) Realizar reuniões com escola para discutir as formações e como podem ser organizadas dentro da estrutura da escola. b) Selecionar e organizar o material a ser apresentado na formação. c) Organizar o espaço à serem realizadas as formações. d) Mobilizar recursos para a formação (comida, material, equipamentos) e) Divulgar a formação com no máximo uma semana de antecedência, nos meios de comunicação do projeto (e-groups, e-mail, nota impressa fixada na sede do projeto e escola).

Documentos: a) Nota de divulgação. b) Boleto de gastos. c) Ata das reuniões. d) Material distribuido na formação.

Voluntariado na Ong: Incentivar as ações voluntárias da coordenação e demais funcionários da escola dentro do Projeto.

Justificativa: A participação voluntária da escola contribui não só para que o trabalho tenha um número maior de recursos humanos, mas para que a qualidade também seja maior. Visto que sendo funcionários da escola e protanto, os que vivenciam os problemas da mesma, tem-se uma visão de dentro que pode contribuir para a elaboração e execução de um programa mais aprofundado, agindo mais pontualmente nos problemas e obtendo resultados mais significativos.

Sub-atividades: a) Definir com o grupo de Recursos Humanos estratégias para incentivar o voluntariado dos funcionários da escola. b) Realizar palestras de sensibilização do trabalho voluntário. c) Organizar visitas para assistir o trabalho do projeto nas várias áreas de trabalho. d) Realizar formações mais aprofundadas aos voluntários que se interessarem em trabalhar no projeto.

Documentos: a) Atas de reuniões das células Relacionamento com Escolas e RH. b) Registro e listas de presença dos eventos (palestras, visitas, formações).

IV. Estratégias de negociação

Para que os argumentos do Projeto tenha maior poder de convencimento junto à escola, é necessário ressaltar alguns benefícios que a parceria proporciona e mesma. Mostrando que o estabelecimento de uma parceria não beneficia apenas ao projeto e que ambas as partes podem se aproveitar dos resultados dentro de seus objetivos pedagógicos e gerais.

Melhoria do ambiente escolar interno A parceria visa como atividade prioritária trabalhar para o desenvolvimento escolar da criança e jovem, não só as que frequentam o projeto, mas procurar atingir o maior número possível de beneficiados. Ao desempenhar trabalhos que visam o alcance desse objetivo o projeto beneficia diretamente a escola que atualmente passa por problemas com vandalismo/delinqüencia juvenil, desinteresse dos alunos, ausência familiar, falta de recursos físicos, materiais, humanos e financeiros para desempenhar outras atividades que estimulem os alunos... Potenciais Dessa forma o projeto possui como potencial poder desenvolver os programas extra-sala para: a) Promover a melhoria do ambiente escolar através de programas voltados a sensibilização da criança e jovem pela valorização e conservação do meio escolar. b) Combater o vandalismo juvenil através de ações que o aproxime da escola.

Acabar com o vandalismo Para combater o problema do vandalismo serão desenvolvidos programas juntamente com os estipulados acima, mas frisando a relevância de se focar no tema de combate ao vandalismo. Potenciais a) Podem ser colocados como potenciais do projeto. b) Contato direto com a família dos alunos envolvidos. c) Opção de realizar as atividades diferenciadas dentro da escola. d) Dar continuidade no trabalho fora da escola, acompanhando seu comportamento e desenvolvimento dentro da comunidade e em outros projetos que frequente, através das parcerias.

Participação em um projeto-piloto. O programa com as escolas funciona como um programa-piloto que o projeto pretende ampliar e aplicar em outros locais, seja através da expansão do mesmo em outras comunidades e escolas ou através de parcerias.

Aproximação das famílias A ausência da família é um dos maiores problemas que as escolas enfrentam, como já foi citado acima. A não participação na vida escolar da criança a deixa sem limites para as ações pois sabem que não terão qualquer repreensão da família, por não acompanhar seu desenvolvimento na escola e por isso, não saber o que acontece com a mesma. Potencialidades a) Maior contato com as famílias através do Relacionamento com a comunidade. b) Trabalho com as famílias já iniciado como atendimento psicológico, aproximação dos pais de crianças problemáticas. c) Conhecimento da comunidade, seu espaço geográfico e suas relações internas. d) Ter conseguido a participação voluntária de pais e jovens da comunidade.

	Plano estratégico de atuação com os alunos das escolas públicas

Para se desenvolver um bom trabalho junto às escolas públicas é necessário se estabelecer uma boa definição de como se quer trabalhar os alunos, quais são os objetivos para com eles e o que o projeto espera como retorno pelo trabalho. Assim é desenvolvido o plano estratégico de atuação com os alunos das escolas públicas, para que possa dar um direcionamento ao trabalho desenvolvido pela Célula de Relacionamento com as Escolas.

I. Objetivos:

Fomação educacional Envolver os alunos nas atividades desenvolvidas dentro da escola, de forma que o trabalho complemente a formação educacional dos alunos.

Justificativa

Para que as atividades possam ser realizadas com sucesso e proporcionar o resultado esperado pelo projeto, o trabalho tem que ser organizado de forma que integre todos os envolvidos. Os alunos são peças fundamentais na construção de um projeto de sucesso pois representam o público principal, com quem o projeto quer atuar e provocar as mudanças esperadas.

Aproximação com a escola. Realizar trabalhos de integração entre aluno e escola de forma que possam ser potencializados suas habilidades e este se sinta mais participante dos acontecimentos da escola, estabelecendo assim um vínculo de comprometimento e maior respeito.

Justificativa

O trabalho de sensibilização com os alunos deve procurar envolvê-lo e fazê-lo mais interessado em participar. O aluno emocionalmente envolvido participa e se motiva mais em trabalhar com as atividades propostas, por isso deve-se investir nos assuntos que mais interessam à eles e que possam ser colocadas as habilidades que cada um possui.

Atividades pedagógicas diferentes Apresentar atividades pedagógicas dentro de trabalho de complemento educacional que representem um diferencial na forma de abordagem e de realização das atividades:

Justificativa Os alunos nas escola em geral sentem-se pouco motivados em participar das atividades tanto pedagógicas quanto campanhas de melhoramento escolar, conservação do espaço, etc. Isso porque não sentem-se identificados com o trabalho. Atualmente a escola apresenta atividades fora da realidade dos alunos, que separa o conhecimento científico da relação do mesmo na vida cotidiana. Assim a escola se torna cada vez mais distante do aluno, e por conseqüencia este não se motiva em participar mais ativamente os trabalhos desenvolvidos.

Aproximação com o projeto. Promover maior integração entre os alunos das escolas que são ou não atendidas pelo Projeto Alavanca e o mesmo através das atividades desenvolvidas nas escolas.

Justificativa A participação do projeto nas escolas traz aos alunos que já frequentam as atividades na comunidade, maior seguramça quanto à seriedade do trabalho. Além disso sabem que serão cobrados de faltas que cometerem na escola. Iniciando o trabalho com os alunos mesmo sem estrem participando das atividades na comunidade, antecipa o trabalho de integração no projeto.

Maior integração nos assuntos que envolvem a comunidade e região. Sensibilizar os alunos quanto às questões problemáticas que envolvem as comunidades onde moram e a escola onde estudam, e dessa forma elaborarem propostas de melhorias par aos problemas identificados.

Justificativas

Levar o aluno à refletir sobre os problemas que o cerca, cria uma percepção maior do mundo. Pensar mais criticamente sobre os problemas e copreender o por que deles acontecerem, desperta no aluno um desejo maior de provocar mudanças. O mesmo desejo também pode incentivar os aluno a elaborar ações de melhoria para os problemas. O trabalho desenvolvido com todos os alunos da escola pode tomar dimensões maiores conseguindo realizar transformações maiores.

Potencialização Potencializar os alunos para que possam provocar intervenções no seu meio escolar e social. Através de oficinas e outras atividades que capacitem a criança a desenvolver idéias de melhoria para o seu meio escolar e social.

Justificativa Um dos maiores obstáculos para que as pessoas da comunidade enfrentam para que realizem intervenções de melhoria na comunidade é o desconhecimento de como trabalhar o problema, quais ações realizar ou mesmo por onde começar. Preparar a criança desde cedo para saber elaborar projetos de intervenção, adia o processo de formação da comunidade para tal fim.


II. Fases

Para a realização de todas as atividades, sejam de planejamento ou execução dos atividades com os alunos, são estabelecidas fases para a estruturação e definição dso trabalhos, tanto administrativos quanto pedagógicos. Através dessas fases o projeto busca vivenciar as etapas já avaliando as ações e fazendo “ajustes”e/ou modificações nas formas de atuação para que o projeto possa atender da melhor forma as crianças dentro das escolas.

1) Reunião de apresentação e planejamento das atividades

Devem se organizadas reuniões com os educadores e coordenadores da escola para que possam apresentadas as atividades propostas pelo projeto, assim como a escola avaliá-las para que possam executadas. Também são discutidas novas idéias e atividades propostas pela escola para que possam ser incluídas no cronograma de atividades com os alunos dentro da parceria. Nessas reuniões são apresentados os educadores que irão trabalhar na escola como suporte. Assim são colocados na seguinte ordem: a) Apresentar o planejamento inicial das atividades. b) Receber a avaliação e observações da coordenação e corpo docente. c) Ajustar do cronograma segundo as possibilidades da escola.


2) Apresentação da proposta aos alunos

Realizar reuniões com pequenos grupos de alunos considerados com potencial, para avaliar mais abrangentemente os problemas e atividades de envolvimento dos outros alunos. Nessas reuniões pretende-se já ter uma noção de como os alunos enxergam a escola, suas limitações e potencialidades. Assim as reuniões vão seguir as seguintes etapas: a) Organizar os horários dos encontros com os alunos. b) Elaborar metodologias para trabalhos em grupo (dinâmicas, jogos) que possam fazer o grupo interagir mais entre eles. c) Realizar os encontros. d) Avaliar os resultados dos encontros. e) Formar um mini-grêmio nas escolas de Ensino Fundamental do 1° ciclo e fortalecer os grêmios existentes nas outras escolas. f) Dar um retorno aos alunos da avaliação através de uma outra reunião para informação.


3) Formação dos educadores/professores Para que o trabalho seja realizado com qualidade, os conceitos e métodos pedagógicos devem ser disseminados e os educadores formados para lidar com tais modelos, assim como para aplicá-los em sala de aula. Para a formação dos educadores serão organizadas as seguintes estruturas: a) Planejar a formação. b) Definir o quais objetivos e/ou impactos quer alcançar com a formação. c) Organizar o material necessário par a realização da formação. d) Definir o calendário dos encontros. e) Divulgar os encontros. f) Realizar os encontros. g) Avaliar cada encontro para medir os impactos que causou.

4) Início das atividades com as crianças. Após os processos de negociação e organização das atividades são iniciadas segundo o calendário previsto no planejamento. Para que o início das atividades possa ser realizado sem problemas, devem ser tomadas as seguintes ações: a) Organizar o espaço. b) Organizar as turmas. c) Organizar os materiais. d) Avisar aos pais sobre as novas atividades.

5) Avaliação das atividades Avaliar periodicamente os acontecimentos das atividades, os resultados obtidos e como serão feitas as correções nas atividades que não tenham dado certo. Dessa forma devem ser seguidos os passos abaixo: a) Verificar dentro da pesquisa sobre avaliação mais viável para cada situação. b) Elaborar um manual de avaliação das crianças e educadores nas atividades. c) Aplicar a avaliação segundo o manual.

III. Atividades

Estruturação dos encontros iniciais com as crianças: Viabilizar os encontros iniciais de apresentação da proposta aos alunos descritos na fase 2, organizando e obtendo os recursos e demais necessidades para a realização do mesmo.

Justificativa Para que a atividade seja realizada com sucesso, é necessário se estruturar bem não só o planejamento, mas realizá-lo com eficácia para que os objetivos da atividade seja alcançado.

Sub-atividades a) Pesquisar métodos de trabalho em grupo e demais recursos que serão utilizados na metodologia do encontro. b) Fazer o planejamento dos encontros estipulando objetivos e formas de avaliações dos mesmos. c) Mobilizar recursos para as atividades. d) Organizar reuniões com a coordenação para definir e fechar calendários das atividades com os alunos. e) Executar os encontros. f) Fazer relatórios diários dos encontros. g) Avaliar os encontros. h) Estruturar novos encontros e modificações em práticas que deram certo.

Documentos

a) Material do resultado da pesquisa sobre metodologia. b) Planejamento inicial e dos demais encontros das atividades. c) Registro da formação dos educadores. d) Ata de reuniões com a coordenação. e) Relatórios dos encontros. f) Boleto de gastos dos materiais. g) Resultado das avaliações.


Elaboração de calendário: Estruturar um calendário de reuniões com a coordenação da escola para:  fazer as avaliações;  encontros de integração;  organizar o planejamento;  organizar as formações com os educadores da escola;  divisão de tarefas;  captação de recursos.

Justificativa A criação de um calendário anual de atividades, traz mais produtividade ao trabalho, pois, sabendo que existe um prazo para organizar as atividades, a pessoa responsável terá mais rapidez e comprometimento em fazer. Com um calendário já estipulado, se torna mais fácil prever o que vai ser necessário para cada tempo/fase. Também se torna possível saber quando cada atividade/módulo estará pronto.

Sub-atividades a) Listar todas as atividades que devem acontecer em um ano. b) Colocar em ordem de prioridade as atividades. c) Elaborar o calendário de forma que possam estar de acordo com o tempo de cada atividade, por exemplo, o dia das avaliações deve acontecer após a realização das atividades. d) Reunir-se com a coordenação para avaliação do calendário e verificar se a escola pode disponibilizar o mesmo tempo para as reuniões. e) Fazer modificações que forem necessárias. f) Divulgar ao projeto e escola os resultados, através dpo e-groups, e-mail e ata fixada na sede do projeto e na escola.

Documentos a) Registro do planejamento do calendário (rascunho de datas, disposição dos dados). b) Ata de reunião com a coordenação da escola. c) Calendário já pronto. d) Nota de divulgação.

Organização das formações: Organizar as formações para os educadores do projeto que trabalharão na escola e os professores da mesma. Essas formações são para disseminar os conceitos e metodologias pedagógicas que os educadores deverão usar nas atividades.

Justificativa Para que os educadores possam realizar as atividades da forma planejada e esperada deve-se realizar um trabalho de formação, para que possam ser colocados em contato com os recursos pedagógicos que oprojeto pretende aplicar. Mesmo os professores das escolas que já carregam anios deexperiência deve fazer a formação porque como passar do tempo as ferramentas pedagógicas vão se diverificando, e por isso é necessário que este se atualize para desempenhar um bom trabalho.

	As formações também proporcionam momento sde integração entre os participantes.

Sub-atividades a) Planejamento do evento. b) Pesquisar conteúdos sobre o tipo de formação a ser realizada. c) Mobilizar recursos (materiais, físicos e financeiros) à serem utilizados nas formações. d) Preparar o material pedagógico. e) Divulgar o evento. f) Avaliar o evento. g) Divulgar os resultados do evento nos meios de comunicação do projeto e escola. Documentos a) Planejamento. b) Resultado da pesquisa. c) Boleto dos recursos obtidos e gastos. d) Material de apoio da formação. e) Nota de divulgação. f) Resultado da avaliação segundo os critérios do planejamento.

Reuniões com a coordenação: Realizar reuniões periódicas com a coordenação para planejamento das atividades a serem desenvolvidas dentro do trabalho com as crianças.

Justificativa Reuniões periodicas possibilitam que o projeto e escola, estejam sempre em comunicação.

As reuniões garantem uma troca de experiências entre as instituições.

Também cria um vínculo maior entre as partes.

Sub-atividades a) Elaborar pauta da reunião. b) Reforçar a divulgação da reunião. c) Realizar a reunião. d) Divulgar o resultados da reunião.

Documentos a) Registro da pauta da reunião. b) Nota de divulgação. c) Ata de reunião. d) Boletim informativo sobre a reunião.

Reuniões de integração. Organizar encontros de integração entre educadores da escola, e educadores do projeto, realizados através de eventos, churrascos, etc.

Justificativas a) Encontros de integração servem para socializar idéias entre os integrantes. b) Também cria um vínculo mais próximo ente os mesmos. c) Um vínculo maior garante a permanência da parceria, assim como a continuidade do trabalho.

Sub-atividades a) Planejar os encontros. b) Incerir no calendário anual de atividades. c) Mobilizar recursos para os encontros. d) Reforçar a divulgação. e) Realizar o encontro de integração. f) Registrar o evento.

Documentos a) Planejamento do evento. b) Boleto de recursos gastos. c) Nota de divulgação. d) Memória do encontro. e) Livro de presença nos eventos.


Planejamento das atividades permanentes com os alunos. Fazer o planejamento das atividades permanentes que serão realizadas com os alunos. Justificativas Toda atividade a ser realizada deve ser primeiro planejada, através de um planejamento estratégico ou de atuação. O registro das idéias possibilita a pessoa ter um maior visão de como as atividades devem e vão acontecer. Fazer o planejamento permite ter uma previsão dos gastos a serem utilizados, quem o projeto deseja atingir, como será a abordagem, quais os resultados esperados, como chegar nele e quais as formas de avaliar os resultados. O planejamento também facilita para arrecadar recursos materias e financeiros, pois com um projeto escrito torna-se mais fácil comprovar a existência e seridade do trabalho.

Sub-atividades a) Ter contato com o modelo para saber quais dados /informaçoe svao ser necessários. b) Pesquisar os dados necessários. c) Pesquisar conceitos e métodos pedagógicos que trabalhem os objetivos do projeto com a criança. d) Escrever o planejamento. e) Atualizar o planejamento quando houver modificacões e escrever o relatório sobre. f) Aplicar na prática.

Documentos a) Resultado das pesquisas. b) Planejamento. c) Relatório das atualização. d) Registro das atividades em cadernos de relatórios, lista de frequencia, avaliações...

Desenvolvimento de avaliações. (pesquisa de satisfação) Elaborar um sistema de avaliação para as atividades que envolve os diferentes públicos do trabalho (alunos e professores).

Justificativa Para que o projeto possa saber se o trabalho está surtindo resultado ou não é necessário um sistema de avaliação para medir resultados e impactos que o trabalho tem ou tem. A medição de impactos contribui para captar recursos sendo que os investidores se preocupam e exigem saber os resultados e alcance do impacto das atividades. Também possibilita que o projeto possa detectar erros e falhas e assim corrigi-los para que não ocorram novamente.

Sub-atividades a) Pesquisar métodos de medição de resultados e adaptá-los as necessidades do projeto e/ou desenvolver métodos próprios. b) Elaborar métodos de aplicação nos diferentes públicos. c) Desenvolver o planejamento do sistema completo de avaliação. d) Desenvolver sistemas de motivação para os alunos que não apresentam o rendimento esperado. e) Divulgar os métodos desenvolvidos para escola e demais grupos do projeto. f) Apresentar à escola para avaliação da mesma em reunião.

Documentos a) Resultado da pesquisa. b) Planejamento do sistema de avaliação. c) Nota de divulgação. d) Ata de reunião da apresentação.

IV. Estratégias de negociação Para que os argumentos do Projeto tenha maior poder de convencimento junto à escola, é necessário ressaltar alguns benefícios que a parceria proporciona e mesma. Mostrando que o estabelecimento de uma parceria não beneficia apenas ao projeto e que ambas as partes podem se aproveitar dos resultados dentro de seus objetivos pedagógicos e gerais.

Possibilidade de realizar trabalhos dinâmicos extra-sala com os alunos. Por ser um projeto que não está atrelado a um sistema que define as regras da didática, horários, educadores, etc. O projeto se encontra em condições de realizar atividades fora do horário de aula e dispõe de reursos humanos que capazes de realizar as atividades e formar outras pessoas para atuar nas atividades. Potencialidades a) Recursos humanos para as atividades. b) Condições de atender as crianças fora do horário de aula. c) Possibilidade de atender a criança com uma proposta que não está diretamente ligada ao curriculum escolar. d) Parceria com outros projetos que também podem trazer recursos, humanos, informacionais, pedagógicos, etc.

Contato com as crianças na escola e comunidade.

Pelo projeto atender também as crianças fora do horário de aula, e acompanhar através do grupo de relacionamento com a comunidade o comportamento e desenvolvimento dentro da comunidade. Torna-se mais fácil cobrar e acompanhar por mais tempo e de maneira mais próxima a criança, principalmente os que apresentam comportamento difícil.

Potencialidades a) Trabalho do grupo de relacionamento com a comunidade acompanhando a criança. b) Maior contato com os pais dentro da comunidade. c) Construção de um vínculo não só profissional mas pessoal com a criança, motivando seu desempenho através do envolvimento emocional.

Trabalho com crianças difíceis. O projeto possui um trabalho específico com crianças em situação de risco social. Através dos grupos de formação cidadã, acompanhamento através do grupo de relacionamento com a comunidade. Além disso a o projeto tem vivenciado a oportunidade de pais das crianças que são consideradas “sem remédio“ pela escola, se aproximarem do projeto, porque sentiram-se mais amparados pelo mesmo. Um dos motivos que levam os pais a agirem assim, é que sendo o projeto também formado por pessoas da comunidade, sentem-se mais identificados e acreditam que serão melhor compreendidos. Potencialidades a) Trabalho direto com a comunidade. b) Maior contato com a criança dentro e fora da escola. c) Maior proximidade das famílias. d) Envolvimento de pessoas da comunidade ao qual as crianças tem maior respeito.


Já foi iniciado o trabalho na comunidade e teve grande receptividade. O Projeto Alavanca possui um ano de atuação na comuniddae. Durante esses tempo conseguiu grande prestígio da comunidade. Prestígio que transparece no número de voluntários comunitários que o projeto possui. Além disso O envolvimento da comunidade mostra o grande receptividade que oprojeto teve o Alavanca quando se instalou na comunidade.

Potencialidades a) Já desenvolve trabalhos com as famílias ecrianças na comunidade. b) Possiu contao com outras escolase projetos que a criança participou ou participa. c) Como instituição socail pode participar de ações de evitam consequencias piores à criança, como liberdade assistida. d) Já obteve resultados com crinças e com problemas estruturais.

Ferramentas pessoais